22.5.19

Assembleia da Associação Lígia Averbuck


A Presidente da Associação Lígia Averbuck – ALA (Associação de Amigos do IEL), no uso de suas atribuições, convoca Assembleia Geral com a seguinte ordem do dia:

– Eleição de nova diretoria
– Assuntos gerais

Data: 29/05/2019
Horário: 16h em primeira chamada e 17h em segunda e última chamada, com qualquer quórum.
Local: Rua André Puente, 318 - Bairro Independência - Porto Alegre/RS

Todos os sócios da ALA em dia com suas obrigações estão convocados e podem votar. Membros do público em geral que desejarem participar das deliberações e da votação poderão associar-se no local, mediante preenchimento da ficha de inscrição e pagamento da anuidade.

Mais informações: iel@sedac.rs.gov.br

16.5.19

Autor Presente 2019 - Inscrições

Estão abertas as inscrições para a edição 2019 do Autor Presente, projeto de incentivo à leitura do Instituto Estadual do Livro que há mais de quatro décadas promove encontros entre escritores e leitores. As inscrições estão disponíveis para escolas da rede pública estadual.

Para realizar a inscrição de sua escola, acesse e preencha o formulário neste link. O Regulamento do projeto, seus anexos e o catálogo de autores credenciados estão listados abaixo. Mais informações pelo e-mail autorpresente@gmail.com.


CATÁLOGO DE AUTORES


Anexos para escolas

Anexos para escritores


10.5.19

Autor Presente 2019

Estarão abertas a partir de 16 de maio, às 14h30min, as inscrições para o projeto Autor Presente 2019. O Autor Presente, projeto do Instituto Estadual do Livro – IEL, órgão da Secretaria de Estado da Cultura (SEDAC), em parceria com o Sistema Estadual de Bibliotecas Escolares – SEBE, estrutura da Secretaria de Estado da Educação (SEDUC), constitui-se na realização de encontros entre escritores credenciados junto ao IEL e alunos das escolas da rede pública estadual de ensino.

Nesses encontros, os autores credenciados realizam palestras abordando uma ou mais de suas obras, destinadas ao público-alvo definido por cada escola, sendo que os alunos participantes da ação deverão ler previamente a obra a ser apresentada, dentro do projeto de leitura desenvolvido pela escola. 

A inscrição das escolas será feita por meio de formulário eletrônico disponível a partir do dia  16 de maio, às 14h30min, no website ielrs.blogspot.com.br. Confira abaixo o regulamento completo do projeto.


Anexos para escolas

Anexos para escritores

6.5.19

Qorpo Santo: Palestra e Extensão no IEL

Nesta terça-feira, 7 de maio, às 18h, será realizada no Instituto Estadual do Livro (R. André Puente, 318) palestra com o Prof. Dr. Luís Augusto Fischer (UFRGS) sobre a obra de Qorpo Santo (1829-1883). Mais cedo, às 17h, a professora Dra. Paula Mastroberti apresentará o projeto “Poesia em Jogo: Interações com a Vida e Obra de Qorpo Santo”, uma extensão universitária promovida pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) e Instituto Estadual do Livro (IEL) que culminará em uma Game Jam, na qual as equipes inscritas produzirão um jogo digital inspirado na vida e obra do autor gaúcho. Confira todos os detalhes do projeto no blog do IEL: https://ielrs.blogspot.com/p/qorposanto.html. As inscrições para a extensão continuam abertas.

As atividades têm entrada franca. A apresentação do projeto (17h) estará voltada para interessados em participar da extensão e Game Jam, já inscritos ou não (também serão dadas instruções para inscrição). A palestra (18h) será para o público em geral. 

7 de maio (Terça-feira)
17h - Apresentação da extensão “Poesia em Jogo: Interações com a Vida e Obra de Qorpo Santo”
18h - Palestra sobre Qorpo Santo com Luís Augusto Fischer
Instituto Estadual do Livro (R. André Puente, 318)
Entrada franca

2.5.19

Escritores Gaúchos - Alcy Cheuiche



Na próxima quarta-feira, 08 de maio, às 18h, será realizada no Instituto Estadual do Livro (R. André Puente, 318) a mesa "Escritores Gaúchos Série Digital: Alcy Cheuiche", em homenagem ao escritor Alcy Cheuiche e sobre o volume digital dedicado a sua obra publicado pelo IEL em 2018, do qual participam Élvio Vargas, Lucas Zamberlan e Luiz Gonzaga Lopes. O evento tem entrada franca. 

Autores Gaúchos Série Digital: Alcy Cheuiche
08 de maio de 2019
18h 
Instituto Estadual do Livro, 318 (Rua André Puente, 318 - Bairro Independência - Porto Alegre/RS)
Entrada franca

18.4.19

Extensão “Poesia em Jogo: Interações com a Vida e Obra de Qorpo Santo”

“Poesia em Jogo: Interações com a Vida e Obra de Qorpo Santo” é a extensão universitária promovida pela Universidade Federal do RS (UFRGS), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e Instituto Estadual do Livro (IEL), com base na poesia de Qorpo Santo (José Joaquim de Campos Leão, 1829-1883), que culminará em uma Game Jam, na qual as equipes inscritas produzirão um jogo digital inspirado na vida e obra do autor gaúcho. A iniciativa prevê quatro ações, ao longo de maio, junho, julho e agosto, com o objetivo de preparar os integrantes para o desenvolvimento do jogo digital de caráter cultural e artístico.

O evento do Programa de Extensão Ludopoéticas: Criação de Jogos Digitais, da UFRGS, tem coordenação geral da Profª Drª Paula Mastroberti, do Instituto de Artes da universidade. Os três primeiros encontros serão realizados na sede do IEL (André Puente, 318) e o encerramento, na Unisinos Porto Alegre (Nilo Peçanha, 1600). A apresentação, no dia 7 de maio (terça), das 17h às 20h, contará com o Prof.Dr. Luís Augusto Fischer, do Instituto de Letras da UFRGS, falando sobre a vida e obra de Qorpo Santo. Dia 6 de junho (quinta), das 18h30min às 21h30min, haverá oficina de criação textual poético-narrativa, com o Prof. Dr. Luciano Bedin da Costa, da Faculdade de Educação da UFRGS, em conversa com a poesia de Qorpo Santo. Já em 4 de julho (quinta), Paula Mastroberti encabeçará oficina de criação artística para produção de conceitos gráfico-visuais de personagens, elementos e cenários. Dia 9 de agosto, haverá formação técnica com o Prof. Dr. João Ricardo de Bittencourt Menezes; finalmente, em 16 e 17 de agosto, terá vez “Game Jam 'Qorpo Santo em jogo'”.


SERVIÇO:

Datas: 7 de maio a 17 de agosto de 2019

Locais: IEL (André Puente, 318 – bairro Independência) e Unisinos Porto Alegre (Nilo Peçanha, 1600) – Porto Alegre.

Valor: R$ 50,00 (o valor total recolhido será revertido em despesas de alimentação das equipes, durante a game jam).

Informações: http://ielrs.blogspot.com/p/qorposanto.html ou pelos e-mails artesequenciais.ufrgs@gmail.com, joaorb@unisinos.br e rossanaqueiroz@unisinos.br

10.4.19

Programação da Semana Estadual do Livro e do Incentivo à Leitura



DIA 17 DE ABRIL (QUARTA-FEIRA)

Seminário de Abertura: “Literatura: Da Oralidade ao Game” - Promoção: SEDUC-RS
Local: Auditório da Caixa Econômica Federal/CEF
8h30min - Credenciamento
9h - Abertura, com participação dos secretários da Educação, Faisal Karam e da Cultura do RS, Beatriz Araújo; Santa Ineze Soares, do Instituto Cultural Português e Antônio Soares, do Conselho da Comunicação Luso-brasileira da Escola Isabel de Espanha. Haverá apresentação musical de Camila Umpiérrez e Laura Graña.
9h45min às 10h - Instituto Maria Dinorah – Carmen Prado Nogueira 
10h às 10h20min - Coffee break
10h20min às 11h10min - A Formação da Literatura Afro-Brasileira -  Com Roberta Flores Pedroso, professora Mestra em Literatura Brasileira, pesquisadora da Literatura Afro-brasileira e professora da rede estadual de ensino.     
11h10min às 12h - A Gamificação na Escola: Experiência com a Jornada de Literatura de Passo Fundo. Com a Professora Doutora em Teoria Literária e coordenadora das Jornadas Literárias de Passo Fundo, Fabiane Verardi Burlamaque.
12h às 13h30min - Intervalo para almoço
13h30min às 14h30min - ‘Não Tenho a Menor Ideia’: da Música à Literatura
Com o cantor, compositor e escritor Rodrigo Munari.
14h30min às 15h30min - Oralidade e Interculturalidade
Com a professora Doutora em Literatura Brasileira Ana Lucia Tettamanzy, com ênfase na narrativa oral e interculturalidade.
15h30min às 16h30min - Mesa Redonda “A Literatura Indígena na Sala de Aula: Possibilidade de Escuta” - Com a Professora Mestra em Estudos Literários Aplicados Sofia Robin Ávila da Silva, docente na rede estadual de ensino. Mesa redonda ‘Voz Ancestral’ – Com Ana Cristina Motta, professora Escola Municipal de Ensino Fundamental Ana Íris do Amaral.
16h30min às 16h50min -  Coffee break
16h50min às 17h20min - Premiação das professoras das CREs
17h20min às 17h30min - Encerramento

10h - Literatura Surda
Promoção: IEL
Local: Auditório Luís Cosme/4º andar da CCMQ

Atividade em co-promoção com a UFRGS, com professor Cláudio Mourão (UFRGS) - Autor de livros de Literatura Surda para o público infantil: “As Luvas Mágicas do Papai Noel” (2012), com Alessandra Klein. “A Fábula da  Arca de Noé” (2013), ambos pela Editora Cassol. Coordena o projeto “Sarau Arte de Sinalizar: Narrativa, Humor e Poesia” que promove eventos de difusão da cultura surda, que ocorreram em Porto Alegre (2017), Passo Fundo e Florianópolis (2018). Na UFRGS, é pesquisador do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES); Professor Adjunto no Instituto de Letras, Departamento de Línguas Modernas, no Curso de Bacharelado em Letras, habilitação Tradutor e Intérprete de Libras-Português/Português – Libras e coordena o projeto Arte de Sinalizar, desenvolvendo pesquisas no campo de Literatura Surda.


18h50min - Seu Destino Está Escrito
Promoção: IEL
Local: Teatro Carlos Carvalho/2º andar da CCMQ
O objetivo dessa ação é possibilitar a integração entre os escritores gaúchos e as rotas turísticas do Rio Grande do Sul, em eventos ligados à área do livro. Através do concurso homônimo, foram selecionados minicontos e poemas, posteriormente impressos na capa de cartões. No verso de cada um destes, está o nome de uma das 140 rotas turísticas do Estado. Esses cartões serão disponibilizados ao público por meio de um dispositivo interativo, em formato de caixa de correio, e poderão ser retirados gratuitamente, de maneira aleatória. Assim, o público interpreta a carta que o "destino lhe escreveu", com uma sugestão de rota para conhecer e uma mensagem em forma de poema ou miniconto de escritor gaúcho.

19h - Eu Leio Schlee
Promoção: IEL
Local: Teatro Carlos Carvalho (2º andar da CCMQ)
O projeto o é uma homenagem de escritores e personalidades ligadas à literatura a um determinado escritor, onde cada um faz uma breve leitura de um trecho da obra do autor. Nesta edição, o autor homenageado é Aldyr Schlee (1934-2018). Entre os participantes estão: Alexandre Brito, Cristina Macedo, José Eduardo Degrazia, Luiz Olyntho Telles, Maria Odilia Menezes e Morgana Marcon. Aberto gratuitamente ao público em geral.


ATÉ 30 DE ABRIL
Exposição e mostra bibliográfica das obras de Monteiro Lobato  Promoção: Biblioteca Lucília Minssen
Local: Vitrine da instituição, no 5º andar da CCCMQ
Atividade em alusão ao Dia Nacional do Livro Infantil, celebrado dia 18/4, data que homenageia o escritor em seu aniversário.

18 DE ABRIL (Quinta-feira)

Das 10h às 17h - Feira de Troca de Livros
Promoção: Biblioteca Pública do Estado (BPE-RS)
Local: Riachuelo, 1190 (esquina com General Câmara)
O hall do prédio histórico da Biblioteca Pública sediará o tradicional evento, em que o público traz os títulos que já leu para trocar por outros. O objetivo é estimular a leitura. Muitos dos livros colocados à disposição provém de doações à instituição que, quando já possui estas obras em seu acervo, passa adiante - dessa forma, permitindo sua circulação por um maior número de pessoas.

19h - Literatura Gaúcha no Cinema
Promoção: Cinemateca Paulo Amorim
Local: Sala Norberto Lubisco (Térreo da CCMQ)
Mostra com obras de autores gaúchos e assinados por realizadores que também vivem e atuam no RS. Será exibido “Dyonélio” (Brasil, 2013, 75min). Documentário de Jaime Lerner, com Clemente Viscaíno, Leonardo Machado, Deborah Finocchiaro e Carlos Cunha.
O roteiro mistura ficção e documentário para mostrar a vida e a obra do escritor gaúcho Dyonélio Machado (1895–1985), que também foi psiquiatra, jornalista e militante comunista – chegou a ser preso por seu envolvimento com greves e outros movimentos políticos. Além de passagens da vida do autor, o filme coloca em cena alguns dos principais personagens de seus livros, como “Os Ratos” (1935) e “O Louco do Cati” (1942), propondo um diálogo com os dias atuais.


19 DE ABRIL (Sexta-feira)

19h - Literatura Gaúcha no Cinema
Promoção da Cinemateca Paulo Amorim
Local: Sala Norberto Lubisco (Térreo  da CCMQ)
Mostra com obras de autores gaúchos e assinados por realizadores que também vivem e atuam no RS. Será exibido “Concerto Campestre” (Brasil, 2005, 100min, com direção de Henrique de Freitas Lima e, no elenco, Antonio Abujamra, Samara Felippo, Leonardo Vieira.
Baseado no romance homônimo de Luiz Antonio de Assis Brasil, o filme tem como protagonista o Major Eleutério Fontes, um homem rico, tosco e cuja principal ocupação é a exploração das charqueadas no sul do Brasil. Tudo muda quando ele encontra dois índios guaranis executando uma obra sacra, música aprendida com os jesuítas nas reduções missioneiras. É então que este homem rude ouve música pela primeira vez e, a partir deste momento, sua vida jamais será a mesma.

20 DE ABRIL (Sábado)

Das 14h às 18h - Acervo Itinerante Tudo a Ler
Promoção: IEL
Local: Biblioteca Lucília Minssen  (5º andar da CCMQ)
Uma estante móvel disponibilizará livros ao público infantil, para leitura local, contendo publicações do acervo da instituição e doações feitas por editoras parceiras do projeto e entidades apoiadoras.

15h - Espetáculo “Dom Quixote Hamlet”
Promoção: Biblioteca Lucília Minssen
Local: Sala Lili Inventa o Mundo (5º andar da CCMQ).
Com a Cia. Passa Lá, no projeto Era Uma Vez... Sempre uma Nova História! Ingressos no local.

19h - Literatura Gaúcha no Cinema
Promoção: Cinemateca Paulo Amorim
Local: Sala Norberto Lubisco (Térreo da CCMQ)
Mostra com obras de autores gaúchos e assinados por realizadores que também vivem e atuam no RS. Será exibido “As Aventuras do Avião Vermelho” (Brasil, 2013, 80min). Animação de Frederico Pinto e José Maria, com vozes de Pedro Yan, Lázaro Ramos e Milton Gonçalves.
O desenho animado é uma adaptação do livro infantil homônimo de Erico Verissimo, lançado em 1936. A história, que se passa nos dias atuais, tem como protagonista o garoto Fernandinho, de 8 anos. Hiperativo e meio solitário, ele descobre que a melhor maneira de passar o tempo é lendo um bom livro. Assim, ele embarca numa viagem muito divertida, ao lado de seus melhores amigos, os bonecos Ursinho e Chocolate.

21 DE ABRIL (Domingo)

Das 14h às 18h - Acervo Itinerante Tudo a Ler
Promoção: IEL
Local: Biblioteca Lucília Minssen  (5º andar da CCMQ)
Uma estante móvel disponibilizará ao público infantil livros para leitura local, contendo publicações do acervo da instituição e doações feitas por editoras parceiras do projeto e entidades apoiadoras.

15h - Espetáculo “Dom Quixote Hamlet”
Promoção: Biblioteca Lucília Minssen
Local: Sala Lili Inventa o Mundo (5º andar da CCMQ)
Com a Cia. Passa Lá, no projeto ‘Era Uma Vez... Sempre uma Nova História!’. Ingressos no local.

19h - Literatura Gaúcha no Cinema
Promoção: Cinemateca Paulo Amorim
Local: Sala Norberto Lubisco (Térreo da CCMQ)
Mostra com obras de autores gaúchos e assinados por realizadores que também vivem e atuam no RS. Será exibido “Sobre Sete Ondas verdes e Espumantes” (Brasil, 2013, 74min). Direção de Bruno Polidoro e Cacá Nazario. Documentário.
A vida e a obra do escritor Caio Fernando Abreu são revistas num documentário poético, que conta com a participação de vários de seus amigos, como a dramaturga Maria Adelaide Amaral, a atriz Grace Gianoukas e a cantora Adriana Calcanhoto. O filme passa por lugares onde o escritor viveu, como Santiago do Boqueirão, Amsterdã, Berlim, Paris, Londres e Porto Alegre.

22 DE ABRIL (Segunda-feira)
15h – Entrega de kits de Livros para Bibliotecas Municipais – Promoção da Biblioteca Pública do Estado (BPE-RS)
Local: Biblioteca Pública do Estado/BPE
Serão distribuídos kits de livros para as bibliotecas públicas do Rio Grande do Sul, com a presença da secretária da Cultura do RS, Beatriz Araújo e equipe, em uma iniciativa do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas (SEBP-RS), localizado no prédio da BPE-RS. São mais de 30 publicações de literatura e fotografia, sobre a cultura gaúcha e infantis, entre outros assuntos. Este material é resultante de  doações de autores e contrapartida de obras publicadas com financiamento da Lei de Incentivo à Cultura (LIC), que estão à disposição das instituições cadastradas.

23 DE ABRIL (Terça-feira)
9h às 11h – 17º Encontro de Promotores de Eventos Literários  Promoção: Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL), em parceria com Associação Gaúcha de Escritores (AGES)
Local: Teatro Bruno Kiefer (6º andar da CCMQ)
Conversa com quem faz livros - “Os Autores nos Eventos Literários do RS”. Mesa redonda com participação dos escritores Marô Barbieri, Dilan Camargo, Christian David e Milene Barazzetti Machado. A mediação é de Gláucia de Souza

Das 10h às 18h - Feira de Troca de Livros
Promoção: Biblioteca Pública do Estado (BPE-RS)
Local: Hall da Biblioteca Pública do Estado/BPE

Das 10h às 21h - Feira do Dia do Livro
Promoção: IEL e Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL)
Local: Travessa dos Cataventos (Térreo da CCMQ).
Participação do IEL e de empresas associadas à Câmara Rio-Grandense do Livro. Com chuva, o evento passará para saguão da Casa de Cultura Mario Quintana.

13h - Esquete teatral “Hamlet é um saco”
Promoção: Biblioteca Lucília Minssen
Local: Travessa dos Cataventos (térreo da CCMQ)
Com Cia Passa Lá.

14h às 16h - 17º Encontro de Promotores de Eventos Literários
Promoção da Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL) e Conselho Estadual de Cultura (CEC)
Local: Teatro Bruno Kiefer (6º andar da CCMQ).
Sessão Extraordinária do CEC na Semana Estadual do Livro e do Incentivo à Leitura. Haverá mesa redonda “Projetos Culturais, Aconselhe-se com o Conselho!”, com membros do CEC e convidados, coordenada por seu presidente, Marco Aurélio Alves.

14h30min às 16h30min - Oficina “Como Cuidar e Preservar Nossos Livros, Nossos Amigos!”
Promoção da Biblioteca Lucília Minssen
Local: Biblioteca Lucília Minssen (5º andar da CCMQ)
A partir de uma bela história, “A Doutora de Livros”, a contadora de histórias Maria Helena Ramalho irá mostrar como cuidar, conservar e  fazer pequenos consertos de livros.

17h30min - Esquete teatral “Conversas de Emília com Dona Benta”
Promoção: Biblioteca Lucília Minssen
Local: – Travessa dos Cataventos (térreo da CCMQ)
Homenagem a Monteiro Lobato, percursos da Literatura Infantil no Brasil.

18 às 19h - 17º Encontro de Promotores de Eventos Literários  Promoção da Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL)
Local: Teatro Bruno Kiefer (6º andar da CCMQ)
“Curadoria, Formação e Incentivo à Leitura em Eventos Literários” - Bate-papo com a professora Ana Paula Cecato, coordenadora do Núcleo de Formação de Mediadores de Leitura da Câmara Rio-Grandense do Livro.

19h - Literatura Gaúcha no Cinema
Promoção: Cinemateca Paulo Amorim
Local: Sala Norberto Lubisco (Térreo da CCMQ)
Mostra com obras de autores gaúchos e assinados por realizadores que também vivem e atuam no RS. Será exibido “Valsa Para Bruno Stein” (Brasil, 2007, 88min). Direção de Paulo Nascimento, com Walmor Chagas, Ingra Liberato, Fernanda Moro, Marcos Verza, Sirmar Antunes, Leonardo Machado.
Bruno Stein é um homem de comportamento rígido que vive com a família num lugar isolado do Rio Grande do Sul. No fim da vida, nada mais motiva o velho, que vive em total descompasso com a mulher e as netas. Mas a chegada de um novo empregado para sua olaria e uma paixão inesperada pela nora fazem com que ele encontre um novo sentido para sua vida. O filme é baseado no romance homônimo de Charles Kiefer e rendeu à atriz Ingra Liberato o Kikito de Melhor Atriz no Festival de Gramado. Walmor Chagas, que interpreta Bruno Stein, tem uma atuação muito elogiada pela crítica.

DIA 24 DE ABRIL (Quarta-feira) 

15h30min - Palestra “Formação de Leitores: a Experiência da Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo”
Promoção: IEL e Universidade de Passo Fundo (UPF)
Local: Auditório Luís Cosme (4º andar da CCMQ)
Com Miguel Rettenmaier e Fabiane Verardi.
- Miguel Rettenmaier é Graduado em Letras (FAPA/1992), Mestre em Letras (PUCRS/1998), Doutor em Teoria da Literatura (PUCRS/2002), Pós-doutorado na Universidad de Santiago de Compostela - Campus Santiago (2014). Professor do PPGL e do curso de Letras, na UPF, atua na linha de pesquisa "Leitura e Formação do Leitor".
- Fabiane Verardi é Graduada em Letras (UPF/1991), Mestre em Letras (PUCRS/1999), Doutora em Teoria da Literatura (PUCRS/2004). Professora do PPGL e do curso de Letras, atua nas linhas de pesquisa "Produção e Recepção do Texto Literário" e "Leitura e Formação do Leitor".

16h30min - Roda de leitura
Promoção da Biblioteca Pública do Estado (BPE-RS)
Local: Biblioteca Pública do Estado/BPE

16h50min - Seu Destino Está Escrito
Promoção: IEL
Local: Auditório Luís Cosme (4º andar da CCMQ)

17h - Escritores Gaúchos Série Digital: Armindo Trevisan – Promoção: IEL
Local: Auditório Luís Cosme (4º andar da CCMQ)
Mesa-redonda com a participação Elvio Vargas, Alexandre Brito e José Eckert, em homenagem ao escritor Armindo Trevisan e sobre os Fascículos Digitais Escritores Gaúchos. Este volume publicado pelo IEL, o terceiro da série, conta com relatos, fotos, entrevista e trechos da obra que resgata a trajetória do autor homenageado.

19h - Literatura Gaúcha no Cinema
Promoção: Cinemateca Paulo Amorim
Local: Sala Norberto Lubisco (Térreo da CCMQ)
Mostra com obras de autores gaúchos e assinados por realizadores que também vivem e atuam no RS. Será exibido “Enquanto a Noite Não Chega” (2010, 100min).  Direção de Beto Souza, com Clênia Teixeira, Sirmar Antunes, André Arteche.
Baseado na obra de Josué Guimarães, a trama acompanha o cotidiano dos três únicos moradores de uma cidade em ruínas: Eleutério e Conceição, um casal de idosos, e Teodoro, o coveiro.



26.3.19

Prêmio Minuano de Literatura 2019

Lançamento do Prêmio Minuano 2019

O Instituto Estadual do Livro (IEL), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), em parceria com o Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), lança o Prêmio Minuano de Literatura, em dez categorias. O objetivo é ressaltar e reconhecer a produção literária gaúcha, contribuindo para sua divulgação e para o incentivo à leitura e à produção escrita. As inscrições ocorrem de 2 de abril a 28 de junho de 2019. O regulamento e seus anexos estão disponíveis no blog do IEL (clique aqui). Mais informações podem ser obtidas via e-mail iel@sedac.rs.gov.br ou telefone (51) 3314-6450.

Podem participar do prêmio autores nascidos ou residentes no Rio Grande do Sul, assim como editoras sediadas no Estado. As obras inscritas devem ter sido publicadas no decorrer do ano de 2018 e podem concorrer nas seguintes categorias: Infantil, Juvenil, Poesia, Conto, Crônica, Ficção (Romance/Novela, Ilustração, História em Quadrinhos, Texto Dramático) e Especial (memórias, biografias, efemérides, turismo, guias, manuais, entre outros). Não há limitação no número de livros inscritos por autor ou editora, mas cada obra pode concorrer em apenas uma categoria. 

A Comissão Organizadora será composta por membros do IEL e do Instituto de Letras da Ufrgs. As Comissões de Seleção contarão com três membros cada, escolhidos dentre profissionais que atuam na área da literatura e/ou membros da comunidade cultural literária, os quais escolherão as três obras finalistas em cada categoria. Já as Comissões Finais contarão com três membros cada, dentre professores, alunos de pós-graduação em Letras  e bibliotecários, os quais indicarão o livro vencedor nas respectivas categorias. Os vencedores serão conhecidos na cerimônia de premiação e receberão o Troféu Minuano de Literatura em novembro, durante a Feira do Livro de Porto Alegre.

21.3.19

Lançamento - Lendas do Sul e Teatro de Simões Lopes Neto



No próximo dia 28 de março (quinta-feira), às 19h, será realizado lançamento na cidade de Pelotas dos livros 'Lendas do Sul' - Edição Ilustrada (Instituto Estadual do Livro/Editora da UFRGS) e 'Teatro completo de Simões Lopes Neto' (Editora Movimento). O evento ocorrerá na sede do Instituto João Simões Lopes Neto (Av. Dom Pedro II, 810 - Pelotas/RS), e contará ainda com uma mesa sobre a obra de Simões Lopes Neto com a participação dos professores Márcio de Souza (UFPEL) e Paula Mastroberti (UFRGS).


Lançamento e Palestra/Mesa:

"Lendas do Sul" - João Simões Lopes Neto. Organização de Paula Mastroberti; notas e fixação de texto por Aldyr Garcia Schlee - Instituto Estadual do Livro / Editora da UFRGS - 144 p.

"Teatro completo de Simões Lopes Neto" - Editora Movimento - 448 p.

Local: Instituto João Simões Lopes Neto (Av. Dom Pedro II, 810 - Pelotas/RS)

Data: 28/03, 19h

12.3.19

Autor Presente: Credenciamento de Escritores


Informamos que o credenciamento de escritores no projeto Autor Presente (clique aqui para saber mais sobre o projeto) dar-se-á mediante o preenchimento do Formulário para Escritores e a inclusão da documentação listada abaixo, conforme a opção do autor para em caso de contratação efetuá-la em nome da Pessoa Física ou em nome da Pessoa Jurídica. Podem participar escritores de todo o Rio Grande do Sul que possuam no mínimo três títulos com registro de ISBN, sendo que ao menos dois devem ser impressos e estar disponíveis para comercialização. Coletâneas não são aceitas. Mais informações: autorpresente@gmail.com

Pessoa Física

a)    CPF e RG;
b)    Certidões Negativas de Débito com as Fazendas Federal, Estadual e Municipal;
c)    Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas;
d)    Comprovante de Residência;
e)    Comprovante do PIS, NIS ou PASEP, conforme o caso;
f)     Comprovante de conta bancária;
g)    Imagem da capa de um livro do autor.

 Pessoa Jurídica

a)    Cartão do CNPJ;
b)    Certidões Negativas de Débito com as Fazendas Federal, Estadual e Municipal;
c)    Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas;
d)    Certidão Negativa de Débitos FGTS;
e)    Estatuto registrado, Contrato Social ou Requerimento de Empresário Individual;
f)     RG e CPF do representante legal da empresa;
g)    Comprovante de conta bancária da empresa;
h)      Imagem da capa de um livro do autor.

– Tanto o referido Formulário quanto os documentos deverão ser encaminhados, no mesmo momento, para o e-mail autorpresente@gmail.com.

26.12.18

Desafio Literário - E-book


O Instituto Estadual do Livro lança o e-book "Desafio Literário",  reunindo todos os textos produzidos pelos três primeiros colocados no Desafio Literário, competição de escrita criativa organizada pelo IEL, em cada uma de suas três edições, nos anos de 2016, 2017 e 2018, totalizando nove autores. 

A competição é realizada sempre durante a Feira do Livro de Porto Alegre. Ao longo de cinco fases eliminatórias em cinco dias consecutivos, os participantes escreveram sobre temas sorteados em cada data nos seguintes gêneros: miniconto, poetrix, poema livre, crônica e conto. Ao final, foram selecionados vencedores os três participantes que terminaram a última fase com a maior pontuação total. 

O trabalho resultante de todos os anos de competição, já publicado via blog do IEL e Facebook, pode ser agora conferido integralmente em formato de livro digital. O download da obra, gratuito, pode ser feito por meio deste link.

21.12.18

Escritores Gaúchos - Armindo Trevisan


O Instituto Estadual do Livro (IEL) está lançando o fascículo biobibliográfico "Escritores Gaúchos - Série Digital: Armindo Trevisan", em homenagem ao escritor Armindo Trevisan. Este volume, o terceiro da série digital Escritores Gaúchos, conta com relatos, fotos, entrevista e trechos da obra que resgatam a trajetória do autor homenageado.

O download do livro eletrônico, gratuito, pode ser feito por meio deste link. 

19.12.18

Desafio Literário 2018 - Textos dos vencedores

Publicamos a seguir a íntegra dos textos produzidos pelos três vencedores do Desafio Literário 2018, terceira edição da competição de escrita criativa organizada pelo IEL durante a última Feira do Livro de Porto Alegre. Durante a competição, que ocorreu em cinco fases eliminatórias realizadas em cinco dias consecutivos, os participantes escreveram sobre temas sorteados em cada data nos seguintes gêneros: miniconto, poetrix, poema livre, crônica e conto. Ao final, foram selecionados vencedores os três participantes que terminaram a última fase com a maior pontuação total, classificados nesta ordem: 1) Celso Gonzaga Porto; 2) Marcos Eizerik; 3) Eduardo Bizarro Pereira Porto.


A produção completa dos três primeiros colocados pode ser conferida abaixo: 


----------


1º lugar - Celso Gonzaga Porto


Miniconto


DEVASTAÇÃO

Movimento frenético de resíduos em sobrevoo. O assovio insistente no encontro com quinas e frestas. Em minutos, entulhos. Tudo devastado.

-
Poetrix


DIVAGANDO 

Quando o pensamento voa 
A alma transpira anseios 
A mente exala devaneios

-
Poema Livre


SOLIDÃO 

Quarto vazio e silente 
No vaso, somente uma flor 
A exalar perfume, 
Aroma com cheiro de amor 
O olhar fixo 
Quem sabe a sufocar um grito 
Num pensamento distante 
Agora 
Os olhos fixam na flor 
Num sentimento de saudade, 
Que tropeça na maldade 
Da parceira que se foi 
Aquele mimo, era p’ra ela 
Partiu sorrindo e levou 
A paixão que era só dela. 
Aquele mimo, era p’ra ela 
Mas ela, não mais voltou.

-
Crônica


AS “VIÚVAS” 

Tudo corria normal no velório, como em qualquer velório. Quem estava em pé, cruzava e descruzava os braços. Os sentados, cruzavam e descruzavam as pernas. E no mais, todos se entreolhavam com cara de bobo; sem nada a fazer; sem nada a dizer. 

De várias mulheres que se aproximaram do morto, se ouviu a característica choradela: “Tão bom… E era só meu.” Depois da quinta que se aproximou do ataúde, já na madrugada, todas perceberam que o “só meu”, não passava de mera ilusão. O Juca, com todo o jeitão de boa gente, tinha um verdadeiro harém. 

E foi aí que o tempo fechou. No primeiro puxão de cabelo, uma peruca sobrou na mão da antagonista. Um olho de vidro foi parar junto à coroa de flores com a famosa faixa com os dizeres: “SAUDADE ETERNA”. Uma delas não conseguiu levantar da cadeira. A muleta tinha sido usada como arma por uma das “viúvas”. Ela não conseguia manter o equilíbrio apenas com uma perna. Pior foi uma dentadura que foi parar no meio das pernas do morto. Ou seja. Deu para perceber que do Juca não escapava nada. 

Já quase ao clarear do dia, alguns homens que participavam da cerimônia conseguiram apaziguar os ânimos. Foi um pedido desesperado da viúva que só aí, no último momento do Juca, tomou consciência do fato de ter sido enganada o tempo todo. Mas engoliu em seco. Afinal, tinha de preservar os filhos que nada tinham a ver com a história. Os amigos conseguiram fazer com que as falsas viúvas deixassem o velório. Já tinham causado rebuliço demais.

E a cerimônia continuou no mesmo “ritual”; cruza e descruza braços; cruza e descruza pernas. Às vezes, uma aproximação ao caixão, o olhar fixo no morto e a mão batendo no ombro do parente com um sacudir de cabeça, sem que nada possa ser dito. Pelo menos que amenize a situação. Por fim, chega a hora da “encomendação” do corpo. Alguém paramentado, com um livrinho na mão, borrifa água benta no cadáver, diz alguma coisa e manda que todos digam amém. O defunto está pronto para “seguir viagem”; a última, por sinal. 

Fechado o caixão, saem todos acompanhando o trajeto. Cabeça baixa, as mãos às vezes cruzadas na frente, às vezes nas costas e, enfim, a sepultura começa a ser lacrada. 

É o momento em que paramos para refletir que, um dia, voltaremos a estar em um ambiente semelhante, onde todos os trejeitos vão se repetir, onde o constrangimento impedirá que se diga algo, e nós estaremos tranquilos e serenos. 

Tranquilos e serenos? 

Sim. Simplesmente porque todos estarão fazendo reverência a nós. 

-
Conto


RETOMADA

Ramires não se conformava com os últimos acontecimentos. Perdera o emprego recentemente, nem ele mesmo entendia muito bem o porquê. Ganhava razoavelmente bem e, num piscar de olhos, sua esposa com trabalho mais modesto é quem mantinha o essencial em casa. 

Imediatamente, largou currículo em diversas empresas de médio o grande porte. Até faria entrevistas, mas no final a resposta era negativa. 

Sua mãe, devota de todos os santos e até de mandingas, implorava aos recursos do além pelo sucesso do filho, mas a maratona continuava. Ramires, na verdade, não era adepto dos rituais de devoção da mãe. Acreditava mesmo era no esforço desprendido em busca dos objetivos. Mas o tempo foi passando e os insucessos acontecendo a cada nova investida. 

O sistema nervoso começou a ficar abalado. Não era confortável ver que a mulher era quem sustentava a casa sozinha. Achava razoável que ela trabalhasse para ajudar nas despesas mas, para manter tudo, não achava justo. 

Passados tempos naquela situação, Ramires teve oportunidade de parar e refletir sua situação. Por que com formação e grande experiência, os caminhos se lhe fechavam as portas? 

Em conversa com um amigo, ouviu um parecer. Ele havia deixado a última empresa com um salário elevado. Isso representava um entrave para nova admissão, já que não era de bom tom que se rebaixasse o salário na carteira.

A partir daí, Ramires mudou os caminhos. Fez curso de aperfeiçoamento em informática. Mudou o foco da sua busca por trabalho e assim, conseguiu um estágio por conta do curso. Durante esse período, chamou a atenção dos donos da empresa pelo discernimento daquele estagiário, a facilidade com que dominava o trabalho e o entusiasmo com que enfrentava os desafios. 

Concluído o estágio, foi convidado a exercer na própria empresa um cargo de auxiliar junto a uma das direções. Dia a dia, sua dedicação era maior. Afinal, estava deixando um período de ostracismo profissional para retomar seu caminho. 

Passados dois anos, o diretor com quem trabalhava foi transferido para uma filial da empresa, recentemente aberta no exterior. Com surpresa, Ramires recebeu o convite para ocupar o cargo. 

Em pouco tempo, o salário já superava aquele do emprego anterior e o forte embasamento lhe dava a cada dia condições de manter a empresa no mais alto conceito. 

A percepção de mudar o foco para a procura foi preponderante para o seu sucesso. 

Ramires ratificou seus princípios de que a luta constante conduz aos objetivos. 

Por sua vez, sua mãe passou a contar para a vizinhança que seu filho foi salvo pelos trabalhos espirituais que ela desenvolveu. 

O fato é que, bem ou mal, as energias positivas se somaram.
-----------


2º lugar - Marcos Eizerik


Miniconto


RODAS 

Fim de tarde. Quando o sol começa a se despedir do dia. A primavera trazia as primeiras flores e a temperatura, nem quente, nem fria, convidava para um passeio. Sempre gostei de passear. Com minha mãe, com meu pai, com minha avó já bem velhinha. 

De olhos abertos, fechados, curiosos. O que me fascinava era conhecer novos lugares, novas pessoas. No céu, agora nublado, as estrelas começavam a piscar. No chão, folhas iniciavam sua dança ao ritmo do vento. O tempo mudava. A ventania se apresentava. Perfeito! Ela me trazia lembranças que flutuavam no ar. Mãos nas rodas. O primeiro impulso é sempre o mais difícil. E lá vamos nós para mais um passeio: eu e minha cadeira de rodas.

-
Poetrix


FOME 

Sonhar é prato cheio 
Sonho de olhos abertos 
Sonho de doce de leite.

-
Poema Livre


ROMA 

Como uma lança que perfura 
Ao som das palavras débeis 
Desde ursão até minha fofura 
Ele passa dos 80 decibéis 
O feio lhe parece bonito 
O gordo é seu forte 
O gemido vira grito 
O perdido um novo norte 
Sua ausência traz arrepio 
É angústia, insônia, ferida 
O quente passa a ser frio 
Tudo na espera da comida 
Ver os olhos cerrados 
Tocar as mãos atadas 
Falar com lábios calados 
Cheirar velas apagadas 
De traz para frente 
Pagão louvor 
Do ateu ao crente 
Todos os caminhos levam ao amor.

-
Crônica


DE MORRER DE RIR 

Ele sempre gostou de fazer graça. Gostava de contar que, quando nasceu e o médico bateu na sua bunda, em vez de chorar, gritou: 

- Vai bater na mãe! 

Na escola, sentava no fundão. Sempre tinha uma resposta na ponta da língua – língua afiada. Seus super-heróis não tinham capa nem espada: tinham ironia e sarcasmo. Do Barão de Itararé, chegava até ter pôster colado na posta do quarto. Para quem dizia que isso era fase, que passaria com o tempo, citava: 

- O problema não é mudar de ideia, é não ter ideia para mudar. 

Com seus um metro e setenta, sessenta e cinco quilos, olhos castanhos e cabelo um tanto quanto crespo, não era um modelo de beleza. Por isso, quando conquistou Berta, uma coisa era certa: ela gostava de sorrir. E ele adora fazê-la feliz. Para os que não entendiam como aquela morena de lindos olhos azuis poderia ter casado com Paulo, a resposta saía num piscar: 

- Eu tenho ótimo gosto para mulheres. Ela tem péssimo gosto para homens. 

É bem verdade que ele aprontava. Muitas vezes suas brincadeiras assustavam Berta. Toda vez que eles comiam peixe, ele fingia se engasgar e tossia, tossia e tossia. De repente, colocava a mão na boca e tirava a espinha inteira do pobre animal – claro, devidamente escondida antes na mão. 

Com o tempo e as repetições, a brincadeira deixou de assustar e virou um clássico nos almoços da família. Primeiro, foram os filhos que imitaram. Depois, os netos. Era ter peixe para começar a sinfonia de tosses. Às vezes, o que faltava era espinho. 

A experiência trouxe novas histórias, viagens e motivos para sorrir. Os filhos já estavam formados, os netos adoravam suas brincadeiras – inclusive a prova de fogo da coragem: dar um pum embaixo da coberta e tapar a cabeça –, e Berta continuava linda. Ainda com péssimo gosto para homens, mas linda. 

Para comemorar 50 anos de casado, programaram uma viagem muito especial: queria conhecer a casa onde Chaplin havia nascido. No caminho, também valia conhecer um pouco da França e Itália. Por quê? Ora, Charles também havia passado lá. 

Passaporte em dia, passagens compradas, hotéis reservados, só faltava os exames de rotina. 

Quando o telefone tocou e a secretária do médico pediu que Paulo viesse um dia antes do combinado e, de preferência, sozinho, ele respondeu: 

Querida, vou correndo: notícia ruim vem rápido. 

Do outro lado da linha, não houve resposta. 

Sentado na frente do médico, Paulo ouviu com atenção os resultados dos exames. Sua tranquilidade era inversamente proporcional à gravidade do diagnóstico. 

Poderia levar um mês, três meses ou, no máximo, seis meses. Evidente que milagres aconteciam, mas o médico, a medicina, não podiam contar com eles. 

Foram quase 45 minutos ouvindo. Em momento algum, Paulo interrompeu o médico. Já ansioso, ele perguntou se Paulo tinha alguma dúvida, algum comentário. 

Paulo olhou para sua aliança, olhou para o médico e, gravemente, falou. 

- Creio que não devo comer peixe pelos próximos seis meses. 

-
Conto


V-I-D-A

Ela era muito esperada. Depois de duas gravidezes que não deram certo, ter passado do terceiro mês já era um milagre. 

Na verdade, desde o primeiro mês, eles comemoravam. A decisão já havia sido tomada: eles não tentariam mais. As duas perdas foram muito doloridas. 

Da primeira vez, a alegria deu lugar ao desespero. O pequeno quarto estava praticamente montado. Faltavam detalhes: um quadro na parede, um ursinho no berço e, claro, um anjo de pano para proteger o anjinho recém-chegado. Foi exatamente quando escolhiam o quadro que uma forte pontada levou eles às pressas para o hospital. 

Fila. Senha. Maca. Grito. Sangue. Correria. Emergência. Meu filho, meu filho. Aborto. 

Depois de três anos, uma nova bênção. Agora, eles já sabiam o perigo. Todo o cuidado foi tomado. Repouso absoluto. Ela não precisava trabalhar. Ele dava conta, O quarto já estava pronto havia três anos. O pouco que faltava, eles comprariam aos poucos. O quarto ele mesmo pintara com a tinta que ela escolhera. A nova colcha ela mesmo costurara com os bichinhos que eles decidiram. 

Quando o telefone tocou no meio da tarde e ele reconheceu o número dela, seus olhos ficaram cheios de desespero. 

Sangue. Fila. Senha. Emergência. Grito. Correria. Meu filho, meu anjo, meu Deus. Aborto. 

A decisão estava tomada, eles não tentariam mais. 

Mas o susto veio. O que fazer? Adiantar o inevitável? Para que prolongar o sofrimento?

Depois de sete anos, a dor ainda era muito presente. A ferida não havia cicatrizado. Eles não aguentariam passar novamente por tudo aquilo. 

Porém, passaram pelo primeiro mês. Com receio, com sonhos, com um lindo quadro na parede. Pelo terceiro mês. Com desconfiança, com força, com pequeno ursinho no berço. 

E vieram o quarto, quinto e sexto mês. Com pavor, com fé, com internação. 

No sexto mês, a gravidez de alto risco tornou-se uma internação de emergência. 

Sangue. Grito. Fila. Senha. Correria. Meu filho, me ajuda, nos salva. Cesariana. 

A enfermeira caminhou até o fundo do corredor para encontrá-lo. Ela tinha perdido muito sangue. O bebê pesava menos de 700 gramas. Eles fizeram tudo o que fora possível. Ela não sobrevivera. Ela estava na UTI. 

Foram quase três meses na Unidade de Tratamento Intensivo. Todos os dias ele via sua filha pelos grossos vidros da incubadora. 

No quarto mês, uma infecção quase a tirou dele. No sexto mês, ela ganhou peso. No oitavo mês, ela ganhou seu primeiro colo do pai. 

Numa tarde ensolarada de uma terça-feira de novembro, eles saíram do hospital. Ele esperou estar junto dela para ir ao cartório registrá-la. 

- Qual será o nome dela? - perguntou o escrivão. 

- Vê - i - dê – a. Vida. Como a mãe.
-----------

3º lugar - Eduardo Bizarro Pereira Porto


Miniconto

VENTANIA 

Sobre o mar acalmado, as naus flutuavam quietas. A calmaria era a morte. O capitão-mor rezava por ventania. Pronto estava para aguentar todo vento que viesse. E ele soprou; soprou e não parou mais. Trouxe as naves, a peste e a cobiça. E levou; levou ouro, prata e o que mais reluzisse. No fim deixou; deixou a morte, a vida, a desgraça e a esperança. Continuou soprando, nunca soube o que fizera.


-
Poetrix

SONHAR 

Quero dormir e não acordar, 
Ser o senhor de todos os sonhos. 
Se não der certo, volto a sonhar.


-
Poema Livre

AMOR 

O amor que amei primeiro 
- e muito correspondido - 
foi um sorriso e um seio. 
Tudo que tinha querido.
      Depois amei o meu pai, 
      amor que não tinha fim, 
      e do meu peito não sai, 
      a saudade que há em mim. 
Aprendi a amar a vida, 
mistura de muito e pouco. 
Uma surpresa infinita, 
para o são e para o louco. 
      Até os bichos amei, 
      também os livros que lia, 
      e as flores que cheirava, 
      o real e a fantasia. 
Enfim, amei os olhos dela, 
Cada amor é diferente. 
Tanto amor que dou p’ra ela, 
não tem fim esta vertente? 


-
Crônica

HUMOR APROXIMA 

Tia Negra sempre foi muito bem humorada. Cedo teve que encarar a vida junto com a mãe e a irmã, abandonada pelo “chefe da família”. Aposentada e solteirona, seu maior medo era que descobrissem que reduzira em quinze anos a própria idade para ser admitida na antiga Viação Férrea, que então estabelecia idade máxima para admissão. Viveu com esse fantasma a assombrá-la, malgrado as tranquilizadoras explicações do meu avô, que era seu irmão. 

Além de bem humorada, era muito generosa com os seus, entretanto muito econômica consigo mesma. Economizava em tudo: se o doutor receitava dois remédios, comprava o mais barato, também mais barato era o sabão, e assim por diante. Também tinha o hábito de guardar os presentes que recebia, de Natal ou aniversário. Era comum não abrir os pacotes, na expectativa, quem sabe, de poder reutilizá-los em ocasião apropriada. 

Recentemente, Tia Negucha, outro apelido dela – pediu-me que a acompanhasse em um aniversário de uma amiga. Aceitei prontamente o convite, sem outra intenção, embora antevisse alguma cena pitoresca que a presença da Tia Negrinha – mais um apelido – está sempre a propiciar. 

Chegamos lá e a tia Inês – esse é o nome dela, embora nunca tenha ouvido alguém chamá-la assim – muito sorridente e afável, cumprimentou a aniversariante, e entregou-lhe o presente, dizendo: “desculpe a insignificância, é só uma lembrancinha”. 

A anfitriã abriu o embrulho, momento em que o seu sorriso passou do vermelho para o amarelo. Ela agradeceu, fazendo o que podia para não perder a linha. 

Fiquei sem saber o motivo do constrangimento, até mais tarde na festa, quando a neta da aniversariante confidenciou-me que o presente da tia Negritita – outro… – fora o mesmo que recebeu da anfitriã no seu próprio aniversário – da tia Negrinha – no ano anterior. 

A formalidade que até então havia entre a neta da aniversariante e eu se desfez, e rimos muito. 

Era como se o encontro dissonante daqueles dois antigos cristais, que nos eram muito queridos, ressonasse em riso duas gerações adiante. Até hoje comemoramos aquela data como o “nosso” aniversário. 

-
Conto

IMPLACÁVEL SEDUTORA 

A vida nunca para. Ela força, luta, empurra, muda os planos daqueles que dela se embebedam. Para a criança que primeiro reconhece um rosto, sua mãe é o Universo, que nunca cessará de expandir, enquanto houver vida. 

Edmundo e Artur sempre foram bons amigos, desde quando aprenderam o significado da amizade. Estavam juntos sempre que podiam. 

Após as aulas, gostavam de ir para a “cidade”. Um forasteiro que ali chegasse, notaria a cidade deserta se os meninos não estivessem. Escondido no sopé de um barranco, cercado de espessa vegetação, o casario era baixo, feito com materiais de fortuna, ao longo de um arruamento irregular, mas construído com cuidado. 

Em um fim de tarde de outono, Edmundo e Artur subiram o barranco, sentaram na grama e ficaram admirando a cidade que haviam construído. Artur comentou: 

– No meu aniversário, vou pedir mais carrinhos. Toda casa terá um. 

– Vamos poder fazer até um engarrafamento – disse Edmundo. 

Eles riram e se abraçaram. 

– Então ela estará completa, poderemos dizer que concluímos nosso projeto? – continuou Artur. 

Edmundo, o mais velho, não respondeu, ficou pensativo. Sentia-se esquisito, parecia não entender mais a vida. 

No primeiro dia de aulas, sentira grande alívio quando soubera que Carmem Lígia seria sua colega de turma. Escolheu um lugar logo atrás dela. 

Ali sobre o barranco, sentado em companhia do amigo, Edmundo acariciava uma borracha de apagar lápis, que trazia no bolso; tinha o formato de uma flor o mimo que recebera de Carmem naquela manhã. 

Artur, talvez tomado de alguma apreensão ou pressentimento, perguntou ao amigo: 

– Vamos brincar de carrinho amanhã? 

Edmundo pareceu surpreender-se com a pergunta. Tirou a mão do bolso, levantou-se e respondeu. Mas não com tranquilidade ou displicência. O fez com aprumo, ênfase e decisão. Parecia contrariar o que já se arrebatava dentro de si mesmo: 

– Eu vou brincar de carrinho contigo para sempre. 

Quem lhe acompanhou os passos nos dias que se seguiram, percebeu que a vida, sedutora implacável, tinha outros planos para ele. 

Foi a última promessa que Edmundo fez na infância, e a primeira que descumpriu na adolescência.