9.8.17

Sábados Literários no IEL - 19/08


No dia 19 de agosto, a partir das 10h, será realizada na sede do Instituto Estadual do Livro (Rua André Puente, 318) a palestra "A estética da linguagem na literatura contemporânea", com o escritor Airton Ortiz. O evento, com entrada franca, será o primeiro da série 2017 dos Sábados Literários, uma parceria do IEL com a Academia Rio-Grandense de Letras (ARL). Confira abaixo a ementa da palestra e o cronograma dos demais encontros dos Sábados Literários:

19/08 - "A estética da linguagem na literatura contemporânea", com Airton Ortiz
Nesta palestra, será debatida a relação dos artistas (em particular, dos escritores) com o seu tempo, destacando características de linguagem às quais um autor deve estar atento se quiser estabelecer comunicação direta com o público de hoje, entre as quais: a visualidade, a velocidade, a fragmentação, a interatividade etc.

Encontros seguintes dos Sábados Literários:

26/08 - "60 anos do livro 'México', de Erico Verissimo", com Alcy Cheuiche

02/09 - "80 anos do Estado Novo e o bloco constitucional-social do Brasil", com Sérgio Augusto Pereira de Borja

16/09 - "90 anos de 'O lobo da estepe', de Hermann Hesse", com Avelino Alexandre Collet

------

Sábados Literários 
Palestra "A estética da linguagem na literatura contemporânea", com Airton Ortiz
Dia 19 de agosto (sábado), a partir das 10h
Instituto Estadual do Livro (Rua André Puente, 318)
Entrada Franca



4.8.17

Seminário Tudo a Ler - 11/08

O Instituto Estadual do Livro (IEL), instituição da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul (Sedactel), em parceria com a UniRitter/Sexta-feira do Professor, promove no dia 11 de agosto (sexta-feira) o segundo encontro neste ano dos Seminários Tudo a Ler, voltados para a formação de mediadores de leitura, em especial professores. O evento será realizado no  Campus Zona Sul da UniRitter (Rua Orfanotrófio, 555).

As inscrições serão feitas por meio de formulário eletrônico disponível neste link: 
https://goo.gl/forms/BW7Ywp7HhVn3o28h2
(OBS: Lembramos que aqueles que participaram do primeiro encontro já estão inscritos para as demais atividades do ano, e não deverão se inscrever de novo).

A partir das 9h, a Professora Mariana Giacomini Botta ministrará “Cultura Digital: práticas de leitura e de escrita” no Auditório do Prédio D; durante a tarde, a partir das 13h30min, as atividades ocorrerão no Laboratório de Informática. 

Serão fornecidos certificados de 40h para os participantes que tiverem frequência de no mínimo 75% em todos os seminários de 2017.

Mais informações: 
iel@sedactel.rs.gov.br / institutodolivrors@gmail.com
(51) 3314-6450

-----

TUDO A LER/SEXTA-FEIRA DO PROFESSOR 2017

11 DE AGOSTO - Manhã: 08h30min – 12h / Tarde: 13h30min -17h
Local: Campus ZONA SUL da UniRitter (Rua Orfanotrófio, 555)

Oficina “Cultura Digital: práticas de leitura e de escrita”
MARIANA GIACOMINI BOTTA
Ementa: realização de quatro minioficinas voltadas para o uso de tecnologias digitais na sala de aula. Serão propostas atividades de leitura e de escrita, com uso de computadores, celulares e diferentes softwares e aplicativos, com a finalidade de desenvolver novas competências, explorar a interatividade e permitir abordagens interdisciplinares de temas da atualidade.

08h30min – Cadastramento
09h – Início das atividades no Auditório do Prédio D
12h – Intervalo
13h30min – Laboratório de Informática


2.8.17

Kombina no IEL


Na tarde desta quarta-feira (02), foi realizado na sede do Instituto Estadual do Livro (IEL) um evento da Kombina, projeto móvel de difusão literária organizado pela escritora Christina Dias que utiliza uma Kombi como suporte de suas atividades. A ação, que homenageou a escritora uruguaia Juana de Ibarbourou e o escritor gaúcho Carlos Urbim, teve como público alunos da Escola Estadual Uruguai, de Porto Alegre. O evento de hoje faz parte de um itinerário da Kombina que incluiu, desde janeiro, as cidades uruguaias de Melo (terra natal de Juana de Ibarbourou), Piriápolis, Montevidéu, Tacuarembó, Rivera e Santana do Livramento (terra natal de Carlos Urbim), com o apoio institucional do IEL e do Consulado Geral do Uruguai.

19.7.17

Seminário Literatura Gaúcha: Cena Contemporânea

Como parte da 16ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, o Instituto Estadual do Livro (IEL), instituição da Secretaria de Estado da Cultura, Turismo e Lazer do Rio Grande do Sul (Sedactel/RS), irá coordenar o "Seminário Literatura Gaúcha Cena Contemporânea", de 3 a 6 de outubro, com a participação de escritores consagrados na cena literária gaúcha. Os encontros ocorrerão das 14h às 17h30min, no Auditório do Centro de Educação e Tecnologia, no Campus I da Universidade de Passo Fundo (UPF). Informações sobre o evento podem ser verificadas no site http://www.upf.br/16jornada/seminario-literatura-gaucha-cena-contemporanea. Confira:



DIA 3 DE OUTUBRO (TERÇA-FEIRA) - Literatura e Mídias Digitais - Produção, Leitura e Divulgação

Christopher Kastensmidt - A ficção interativa e sua aplicação na sala de aula

"A ficção interativa é um gênero de literatura onde o leitor consegue interagir dinamicamente com o texto através de tecnologias digitais. Os livros de ficção interativa encontram-se em fase de pleno crescimento comercial. Devido à sua característica interativa e as possibilidades de inclusão social, a ficção interativa pode ser uma ferramenta poderosa na formação de leitores. Oferecemos nesta palestra uma descrição do gênero e sugestões para sua aplicação na sala de aula."

Marcelo Spalding - Literatura digital x literatura digitalizada

Literatura digital X Literatura digitalizada: por que e-books não são um bom exemplo de literatura digital; a criação literária em tempos de mídias digitais.

Spalding é editor do portal www.literaturadigital.com.br

Rodrigo Rosp - A influência digital na literatura em papel

Muito se discute qual será o futuro do livro e da literatura a partir da chegada de certas tecnologias. É igualmente importante, no entanto, observar o movimento contrário: como a literatura em meio impresso absorve a tecnologia, como ela se comporta em um mundo digital. Através de exemplos contemporâneos e de referenciais teóricos, buscaremos, portanto, verificar e entender a influência digital na literatura em papel.

Vitor Diel (mediador) - Divulgação de literatura em mídias digitais

Desde o final da década de 1990, a internet tem oferecido uma sucessão de recursos para aproximar autores de seus leitores. Ferramentas como os blogs, os sites coletivos, as redes sociais, a popularização da edição de vídeos, a publicação independente e o crowdfunding estabeleceram novas formas de relacionamento ao redor da literatura. Dentro dessa perspectiva, escritores têm sido incentivados a pensarem em si mesmos como marcas que precisam diferenciar-se do que já é oferecido no mercado editorial. Quais são as demandas que recaem sobre um escritor que pretende criar um público em torno de seu nome e construir uma marca no mundo literário em 2017? O jornalista Vitor Diel, assessor de imprensa da Feira do Livro de Porto Alegre, destaque literário do Prêmio Açorianos de Literatura de 2016 com a fanpage Literatura RS, aborda estes e outros assuntos em sua fala


DIA 4 DE OUTUBRO (QUARTA-FEIRA) - Poesia Contemporânea - Percursos de Linguagem

Lilian Rocha - Da oralidade à escrita do mundo feminino e da literatura negra

"Minha liberdade é escrever. A palavra é o meu domínio sobre o mundo." (Clarice Lispector)

A trajetória de uma mulher multifacetada na criação de sua poesia cadenciada, melodiosa, ornamentada com a sua corporeidade. A mulher contemporânea comprometida com a cidadania e engajada com uma proposta de transformação da sociedade através da sua criação literária. ​A importância do protagonismo negro na literatura: Sarau Sopapo Poético.

José Eduardo Degrazia - Poesia e Tempo

Poesia e tempo: aborda a grade poesia como sempre contemporânea. Através da poesia somos contemporâneos de Hesíodo e de Homero, e quando os lemos eles se tornam culturalmente presentes e vivos e, através de nós, seus leitores, influenciam o futuro.

Ronald Augusto - O debate crítico na poesia contemporânea

Segundo alguns intérpretes, a poesia contemporânea, como fenômeno inconcluso, filha e protagonista de um presente contínuo, signagem realizada dentro do “horizonte do provável” do nosso tempo, não estaria em situação de ser mapeada “cabalmente”, pois como coisa viva, algo de sua efemeridade escaparia pelas beiradas do escalpelo crítico consagrado. No entanto, há aí um problema de distorção, melhor, de superestimação. Parece estar-se exigindo, para o caso, uma crítica monumental, ou um olhar telescópico que, enquadrando o mais ínfimo e distante exemplar dessa poesia, capturasse num mesmo golpe o mundo e o tempo conhecidos que o envolvem. Mas o fazer, o saber e o julgar inextrincáveis à atividade crítica, devem ser colocados numa perspectiva provisória, menor. Em outras palavras, crítica é leitura aplicada; uma forma de interpretação ou de abordagem. Isto nos faz supor que tal atividade também se relaciona ao possível, ao impermanente das limitações e das parcialidades do sujeito. Desta maneira, a leitura, ou a crítica, condizente com a poesia contemporânea, deve ser, tal como ela, uma expressão em construção, ainda não canônica e não canonizada. Sequência de interpretações e uma constante confrontação entre elas. Uma crítica, por assim dizer, “câmera-na-mão”, ou para usar outro lugar-comum, crítica mais como transpiração do que como inspiração. Leitura interessada, severa e experimental embrenhada na nervura do dissenso.

Luis Coronel - A poesia como essência de todas as artes

A literatura, consciência e encantamento, com destaque na poesia e na musica social e regional do escritor.

Guto Leite (mediador) - De 90 para cá: poesia contemporânea gaúcha

A produção poética gaúcha a partir dos anos 90 à luz da história recente no RS. As semelhanças que aproximam certas poéticas de outras, iluminando o conjunto pelas diferenças que esses grupos de poetas apresentam entre si. Não se trata de pensar em movimentos literários, mas de, com base num substrato histórico, identificar tendências na produção recente da poesia gaúcha contemporânea.


5 DE OUTUBRO (QUINTA-FEIRA) - Literatura Infantil e Juvenil - para além da escola: o livro como personagem principal

Antonio Schimeneck - A ausência da literatura infantil e juvenil em livrarias e eventos literários

O Rio Grande do Sul é reconhecido nacionalmente como um dos estados da federação que mais promove eventos literários, tanto em escolas públicas e particulares, como em municípios. No entanto, a oferta de obras nas feiras resume-se a best-sellers para adultos e jovens e livros com conteúdo visivelmente pedagógico e com personagens midiáticos para crianças. Há que se pensar no porquê da literatura reconhecida pela crítica como o melhor para crianças, jovens e adultos não figurar nesses eventos e se existem saídas possíveis para sanar essa situação.

Dilan Camargo - A poesia para crianças: na família e na escola

A poesia é o modo estético em que uma língua se expressa e se realiza em todas as suas potencialidades metafóricas, recriando-a e atualizando os seus significados históricos. Apresentar a poesia para as crianças, na família e na escola, é um dever estético dessas instituições. A poesia, para a idade da infância, é uma espécie de leite materno que imuniza a sua capacidade cognitiva, fortalece a sua estrutura emocional e abre a porta da imaginação criativa.

Glaucia de Souza - O objeto livro: arte em texto e em imagem

O livro endereçado à infância vem-se consolidando enquanto um gênero em que palavra e imagem dialogam com a finalidade de construir múltiplos sentidos. Através da análise de alguns títulos premiados recentemente (quer de escritores, quer de ilustradores, gaúchos ou residentes no Rio Grande do Sul), pretende-se tecer uma reflexão acerca deste tema.

Jacira Fagundes (mediadora) - A literatura infantil e juvenil dentro e fora da escola

A expansão da literatura infantil e juvenil é comprometimento social e político que cabe à escola como tal, dentro do processo ensino-aprendizagem, mas não restrito a esta. Tal reconhecimento se traduz no compromisso da sociedade no assegurar espaço e tempo para a literatura infantil e juvenil para além das paredes escolares.


DIA 6 DE OUTUBRO (SEXTA-FEIRA) - Jornalismo e literatura - dá pra misturar?

Airton Ortiz - Jornalismo de aventura

Gênero jornalístico onde o jornalista é ao mesmo tempo repórter e protagonista da reportagem. Escrito na primeira pessoa e focando mais na emoção do que na informação, o texto é escrito com técnica literária.

Marcello Campos - O jornalista-escritor: desafios e oportunidades*

Em um cenário profissional de constante retração para o trabalho nas chamadas “mídias tradicionais” (rádio, jornal e televisão), uma das possibilidades menos exploradas pelos profissionais da área é a atuação no mercado editorial, ao menos em âmbito gaúcho. Não se trata, nesse caso, da sempre oportuna prestação de serviços como revisor, diagramador de livros ou mesmo como assessor de imprensa, mas do envolvimento direto produção de obras que incluam relatos de episódios históricos e biografias de personalidades locais, dentre outros temas cuja transposição para o formato “livro” contista ou poeta exigem o emprego de técnicas de reportagem, tais como a pesquisa e a entrevista – já que a abordagem aqui apresentada não inclui o jornalista que assume o papel de romancista, cronista.

A dedicação exclusiva à atividade literária, entretanto, ainda se mostra financeiramente inviável para a maioria dos profissionais da imprensa no Brasil – ou mesmo para os oriundos de quaisquer outras áreas. Apesar de fatores positivos como a multiplicação de editoras independentes, há entraves como a crise econômica, o encolhimento do mercado editorial (20% nos últimos três anos) e atual incerteza sobre leis e outras iniciativas de fomento. Há o exemplo do tradicional Fumproarte (Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural da prefeitura de Porto Alegre), que já viveu dias melhores. Considerações econômicas à parte, impõe-se também o aspecto da realização individual. Havendo identificação com o assunto e afinidade à prática editorial em si, escrever um livro pode representar para o jornalista uma oportunidade de ignorar limitações conceituais, temporais e formais do texto jornalístico propriamente dito: sem prazos tão urgentes, “pirâmides invertidas” (a redação da notícia em ordem decrescente de relevância) e outras exigências, o autor encontra em capas, contracapas, orelhas e miolos literários um ótimo espaço para o livre exercício da grande reportagem.

* Jornalista, publicitário, pesquisador e autor da biografia de Lupicínio Rodrigues

Rafael Guimaraens - Jornalismo Literário

A expressão Jornalismo Literário adquire diversas definições e fronteiras. Não existe um acordo entre os estudiosos que possa precisá-lo. Pode ter os nomes de literatura não-ficcional, jornalismo em profundidade, jornalismo diversional, reportagem-ensaio, jornalismo de autor ou jornalismo histórico. O escritor gaúcho fica com a expressão cunhada pelo grande Gay Talese, um dos nomes mais destacados do New Journalism, que define seu trabalho como “literatura de realidade”. Trata-se de construir uma narrativa sobre fatos reais, utilizando variados graus de elementos literários que enriquecem o texto e estimulam a leitura. É um gênero em expansão, o que é visível pela proliferação, nas últimas décadas, de livros-reportagem, livros históricos escritos com viés jornalístico e biografias, constituindo-se em uma sólida alternativa para a democratização do conhecimento e a conquista de leitores. Em seu trabalho, Rafael procura exercitar esta forma de narrativa, buscando dar mais sabor às histórias que escolhe para contar, sempre obedecendo à fidelidade dos fatos, cronologia e a papel desempenhado pelos personagens. Em termos práticos, o trabalho é fornecer uma ambientação consistente, dar vida aos personagens, ritmo à narrativa, criar expectativa para o desenrolar da trama, e construir elementos para que o leitor forme seu próprio juízo. A liberdade proporcionada ao autor que envereda pelo Jornalismo Literário permite que ele possa, por exemplo, reconstituir diálogos com base nas informações que apurou, descrever motivações dos sujeitos envolvidos no episódio retratado e preencher vazios narrativos com sua própria imaginação, a partir de uma pesquisa exaustiva e obedecendo critérios de ética, de plausibilidade e verossimilhança.

Luis Dill (mediador) - Batido, mexido e misturado

A vontade de ser escritor o levou ao Jornalismo e, mais tarde, o Jornalismo o auxiliou – e auxilia – a ser escritor. Tal equação teve sempre como denominador comum a leitura. Os livros, dos mais variados autores e gêneros, tiveram papel fundamental na sua formação de escritor e de jornalista. Interessante destacar como o Jornalismo, sobretudo o registrado nos jornais diários, oferece grande manancial de substância própria à criação de matéria ficcional. Ao fim, será possível responder a pergunta proposta no título do Seminário: sim, é possível misturar.



Serviço: 

Período: 03 a 06 de outubro de 2017

Horário: das 14h às 17h30min

Local: Auditório do Centro de Educação e Tecnologia (prédio B3) – Campus I - UPF

Coordenação: Instituto Estadual do Livro (IEL)

Informações: http://www.upf.br/16jornada/seminario-literatura-gaucha-cena-contemporanea


5.7.17

Concurso Josué Guimarães - Inscrições Prorrogadas

Informamos que o prazo de inscrição para o 14º Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães foi prorrogado para o dia 28 de julho. 

O Concurso Josué Guimarães é organizado dentro da programação da Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo e destinado a contistas com obras inéditas. Com o objetivo de valorizar a criação literária no Brasil, a iniciativa é uma promoção da Secretaria de Estado da Cultura, Turismo e Lazer do Rio Grande do Sul (Sedactel/RS), por meio do Instituto Estadual do Livro (IEL), em parceria com a Universidade de Passo Fundo (UPF) e a Prefeitura de Passo Fundo. 

Contatos para informações: iel@sedactel.rs.gov.br e (51) 3314-6450

Confira abaixo o regulamento completo do concurso:

7.6.17

Seminário Tudo a Ler - 23/06

O Instituto Estadual do Livro (IEL), instituição da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul (SEDACTEL), em parceria com a UniRitter/Sexta-feira do Professor, promove no dia 23 de junho (sexta-feira), o primeiro encontro neste ano dos Seminários Tudo a Ler, voltados para a formação de mediadores de leitura, em especial professores. O evento será realizado no  Campus Fapa da UniRitter (Manoel Elias, 2001) e será composto por duas oficinas. As inscrições serão feitas por meio de formulário eletrônico disponível neste link: 

Às 9h, o Prof. Christopher Kastensmidt ministrará "A Ficção Interativa: Tendências e Aplicações", e às 13h30min ocorrerá a oficina "Práticas em Sala de Aula", no Laboratório do Prédio 1 da universidade. Serão fornecidos certificados de 40h para aqueles que tiverem frequência superior a 75% em todas os seminários desta edição.

Mais informações: 
iel@sedactel.rs.gov.br / institutodolivrors@gmail.com
(51) 3314-6450



9.5.17

Autor Presente 2017

Informamos que estão encerradas as inscrições para o Projeto Autor Presente. As escolas contempladas em 2017 estão sendo contatadas.

24.4.17

AUTOR PRESENTE 2017 - Inscrições

Estão abertas as inscrições para o Autor Presente, projeto de incentivo à leitura do Instituto Estadual do Livro que há mais de 40 anos promove encontros entre escritores e leitores.

As inscrições estão disponíveis para escolas da rede pública estadual. Os encontros, inicialmente, devem ser planejados de preferência para datas entre agosto e outubro de 2017.

Para realizar sua inscrição, acesse o formulário neste link. Mais informações (normatização  e dúvidas frequentes) estão disponíveis na página do Autor Presente.

Observações:

- Antes de realizar a inscrição, leia com atenção a normatização do projeto (disponível neste link)

- Neste ano, primeiramente, serão realizadas apenas as inscrições das escolas. Em um momento posterior, será feita a escolha dos escritores pelas escolas inscritas

Atualização (05/05): Inscrições encerradas.

20.4.17

Projeto Autor Presente 2017

A edição 2017 do Autor Presente, projeto do Instituto Estadual do Livro que leva escritores para encontros com a comunidade escolar, abrirá inscrições no dia 24 de abril às 13h30. As inscrições poderão ser realizadas por meio de formulário eletrônico disponível a partir dessa data e horário no blog do Instituto Estadual do Livro (http://ielrs.blogspot.com)As 60 primeiras escolas da Rede Estadual de Ensino da Secretaria da Educação do Rio Grande do Sul (SEDUC) que se inscreverem serão contempladas; as demais ficarão como suplentes. 

Com 45 anos de atividades, o Projeto já levou centenas de escritores para instituições de ensino, Pontos de Cultura e Leitura, penitenciárias e fundações de atendimento sócio-educativo em dezenas de municípios gaúchos.

13.4.17

Oficina 'Crônicas de Viagem' com Airton Ortiz - Inscreva-se





O Instituto Estadual do Livro (IEL) promove, de 19 de abril a 10 de maio, Oficina Literária com o escritor Airton Ortiz, com tópicos para interessados em produção de relatos de viagem, em quatro encontros, sempre às quartas, das 14h às 17h, na sede da instituição (André Puente, 318). A atividade custa R$ 180,00 e tem inscrições até o dia 17 de abril, por meio de formulário eletrônico neste link. Informações podem ser obtidas no telefone (51) 3314-6451 e e-mail iel@sedac.rs.gov.br.

As viagens serão descritas na oficina, mas o foco maior será a arte de escrever. A parte teórica abrangerá o que é crônica, em que consiste a crônica de viagem e o que é escrever bem. Cada aluno escreve seu texto, que será submetido, sem identificação, a uma revisão coletiva. "A ideia é partirmos do fato real e ver onde estão os ruídos, frases mal estruturadas onde falta clareza", diz o jornalista Airton, que tem 20 livros publicados sobre os lugares por onde andou. Alguns fatos que acontecem nas viagens de aventura, em que ele se expõe à realidade local, tornam a publicação interessante. Ao chegar no destino, vai a museus e bibliotecas pesquisar sobre a história, costumes e cotidiano. No Egito, por exemplo, começou no Museu do Cairo e, sabendo de onde as peças foram tiradas, foi a esses locais.

Conforme o ministrante, a oficina não prepara somente escritores, mas também leitores: "para a gente absorver o texto na íntegra, não é muito fácil. Se a pessoa sabe como o autor escreve, sua estratégia para transmitir informações e produzir fica melhor", afirma. Até o momento são mais de 80 países visitados e mais de dez passaportes preenchidos, sendo que seu visto norte-americano, cuja validade é de 10 anos, é completado bem antes deste prazo. São muitas viagens por ano, mas uma que pode durar até três meses, especificamente para escrever um livro. Para isso, tem contrato com uma editora, em que firma compromisso de entregar sua obra até maio, sempre com lançamento na Feira do Livro de Porto Alegre, evento do qual foi patrono, em 2014.

Airton escalou as cordilheiras do Himalaia, no Nepal; percorreu os caminhos do Tibete, a bordo de um jipe; atravessou o Alasca, do sul ao Oceano Ártico; foi para a Índia; percorreu os rios amazônicos; no Egito, viajou pelo deserto do Saara em cima de um camelo e desceu o Rio Nilo em uma jangada; focou a cultura maia, na América Central, e abordou o Vietnã pós-guerra, entre muitos outros assuntos.


Sobre Airton Ortiz


Nasceu na Vila Ferroviária de Bexiga, interior de Rio Pardo, em 27 de novembro de 1954. Mora em Porto Alegre, onde formou-se em Jornalismo pela PUCRS e fez pós-graduação na UFRGS. Além de escritor, é jornalista especializado em reportagens internacionais sobre a natureza selvagem; criador do gênero Jornalismo de Aventura, onde é, ao mesmo tempo, repórter e protagonista da reportagem. Estreou como escritor profissional em 1999, ao publicar, pela Editora Record, do Rio de Janeiro, "Aventura no Topo da África".

Devido ao conteúdo jornalístico aliado à forma literária de seus relatos, seus livros estão sendo usados como leitura complementar em diversos cursos de pós-graduação em Jornalismo Literário. Já gravou muitos documentários especiais sobre aventuras para a televisão. Como fotógrafo, tem um acervo superior a 50 mil fotos dos mais diversos países do mundo, especialmente sobre natureza selvagem. Suas viagens radicais ao redor do planeta, aliadas à sua experiência como administrador de empresas, o tornaram um dos mais requisitados conferencistas nas áreas de Planejamento e Motivação, prestando consultoria para importantes empresas no Brasil, além de fazer palestras em escolas e feiras do livro por todo o país.

Ganhou inúmeros prêmios e indicações: "Na Estrada do Everest" e "Pelos Caminhos do Tibete" foram finalistas do Prêmio Açorianos de Literatura. "Expresso para a Índia" ganhou o prêmio Euclides da Cunha, da União Brasileira de Escritores, como o melhor livro de ensaio, em 2003. "Travessia da Amazônia" (2004) foi o vencedor do Prêmio Livro do Ano da Associação Gaúcha de Escritores, como melhor livro de não-ficção, e "Egito dos Faraós" foi finalista do mesmo prêmio; entre muitos outros.
Fonte: Câmara Riograndense do Livro

Serviço
Crônicas de Viagem:
Período: 19 de abril a 10 de maio
Dias: Quartas-feiras.
Hora: das 14h às 17h.

Local: Instituto Estadual do Livro/IEL (André Puente, 318)

Valor: R$ 180,00.
Inscrições: Até 17 de abril neste link
Informações: e-mail iel@sedac.rs.gov.br e fone (51) 3314-6451

Inscrever-se

Confira aqui vídeo com Airton Ortiz falando sobre a oficina: 


video

12.4.17

Ligia Chiappini e Antônio Hohlfeldt debatem Cyro Martins no IEL

"20 ANOS – Duas Décadas de Transformações" é o projeto que celebra os 20 anos de trabalho ininterrupto do Centro de Estudos de Literatura e Psicanálise Cyro Martins (CELPCYRO) a partir da obra do escritor Cyro Martins  (1908-1995), composto por inúmeras atividades ao longo de 2017. Com apoio do Instituto Estadual do Livro (IEL), "Também na Literatura: o Rio Grande Acerta o Passo com o Brasil" é a primeira delas, a ser realizada no dia 17 de abril, a partir das 18h30min, na sede do IEL (André Puente, 318). A entrada é gratuita.  

A palestra será conduzida por Ligia Chiappini em diálogo com Antônio Hohlfeldt, e tem como proposta rever os romances de Cyro Martins à luz de uma releitura do seu conceito de localismo e repensando sua inserção na literatura gaúcha e brasileira, recolocando questões como: escritor local? regional? nacional? fronteiriço? universal?  nada disso?  ou tudo isso junto? A pesquisadora e ensaísta Lígia é Professora Doutora e Titular em Teoria Literária e Literatura Comparada na USP e Professora de Literatura e Cultura Brasileira e Latino-americana na Universidade Livre de Berlim. Hohlfeldt é jornalista, escritor e professor na Faculdade de Comunicação Social da PUCRS.

Serviço:
Dia: 17 de abril de 2017 (segunda-feira).
Hora: 18h30min
Local:  Instituto Estadual do Livro/IEL (André Puente, 318)
Informações: E-mail iel@sedac.rs.gov.br e fone (51) 3314-6451
Entrada franca, sem necessidade de inscrição.

11.4.17

IEL e Projeto Eu Leio homenageiam Moacyr Scliar

Na Semana Estadual do Livro, o Instituto Estadual do Livro (IEL) e o Projeto Eu Leio promovem uma homenagem ao escritor Moacyr Scliar, no Sarau "Eu Leio Scliar", no dia 18 de abril (terça-feira), às 19h, no Multipalco do Theatro São Pedro (Praça da Matriz, s/nº), instituição que apoia a iniciativa. A entrada é gratuita.

O projeto Eu Leio é uma homenagem dos escritores para escritores e nesta edição se volta para o porto-alegrense Moacyr Jaime Scliar, que nasceu no dia 23 de março de 1937 e faleceu em 27 de fevereiro de 2011. Médico especialista em saúde pública e professor universitário, como escritor se dedicou a contos, romances, ensaios e literatura infantojuvenil, além de crônicas nos principais jornais do Brasil. Serão lidos trechos de obras do autor, como "Carnaval dos Animais", "Um País Chamado Infância", "A Mulher que Escreveu a Bíblia", "A Massagista Japonesa", "A Guerra do Fim do Mundo", "O Exército de um Homem Só", "O Ciclo das Águas" e "A Orelha de Van Gogh".

Participam do evento 52 personalidades ligadas à literatura, teatro e comunicação. São elas: Ana Mello, Armindo Trevisan, Alexandre Brito, Breno Serafini, Cacé Mello, Cândido Brasil, César Alcazar, Charles Kiefer, Cintia Moscovich, Cláudia Carvalho, Cláudia de Villar, Clô Barcelos, Cristina Macedo, Débora Jardim, Denise Weinréb, Dilmar Messias, Doralino Souza, Germana Zanettini, Gladis Berriel, Gláucia de Souza, Graciella Reyna Quijuano, Ivete Brandalise, Jacira Fagundes, Jorge Martins, Jorge Martins, Jorge Rein, José Eduardo Degrazia, Julio Alves, Jussara Mello, Laura Rangel, Leila Pereira, Lourdes Kauffman, Lú Tomé, Luis Augusto Fischer, Luiz Coronel, Luiz Fernando Verissimo, Luiz Paulo Faccioli, Mara Accorsi, Marília Papaléo, Marion Cruz, Marô Barbieri, Martha Medeiros, Milene Borazzet, Monique Revillion, Patrícia Langlois, Paulo Wainberg, Rafael Ban Jacobsen, Rejane Romani Rech, Ricardo Silvestrin, Rosane Castro, Sidnei Schneider, Tabajara Ruas, Valesca de Assis, Viviane Gil e Waldomiro Carlos Manfroi.

O IEL também realizará uma exposição com livros do autor, que constam em sua biblioteca, em sua sede (André Puente, 318), até 30 de agosto. A abertura será no dia 17 de abril (segunda-feira), quando 45 alunos da Escola Estadual de Ensino Gentil Viegas Cardoso, de Alvorada, farão uma visitação na mostra e assistirão à palestra do escritor Waldomiro Manfroi sobre a extensa obra de Scliar, assim como seu legado.

Serviço:
Dia: 18 de abril de 2017 (terça-feira)
Hora: a partir das 19h.
Local: Multipalco do Theatro São Pedro (Praça da Matriz, s/nº), Porto Alegre
Entrada franca.  

31.3.17

Oficina 'Crônicas de Viagem' com Airton Ortiz

Inscrições abertas para oficina 'Crônicas de Viagem' com Airton Ortiz






O Instituto Estadual do Livro (IEL) promove, de 19 de abril a 10 de maio, Oficina Literária com o escritor Airton Ortiz, com tópicos para interessados em produção de relatos de viagem, em quatro encontros, sempre às quartas, das 14h às 17h, na sede da instituição (André Puente, 318). A atividade custa R$ 180,00 e tem inscrições até o dia 17 de abril, por meio do ielrs.blogspot.com.br. Informações podem ser obtidas no telefone (51) 3314-6451 e e-mail iel@sedac.rs.gov.br.
As viagens serão faladas na oficina, mas o foco maior será a arte de escrever. A parte teórica abrangerá o que é crônica, em que consiste a crônica de viagem e o que é escrever bem. Cada aluno escreve seu texto, que será submetido, sem identificação, a uma revisão coletiva. "A ideia é partirmos do fato real e ver onde estão os ruídos, frases mal estruturadas e falta clareza", diz o jornalista Airton, que tem 20 livros publicados sobre os lugares por onde andou. Alguns fatos que acontecem nestas viagens de aventura, em que ele se expõe à realidade local, tornam a publicação interessante. Ao chegar no destino, vai a museus e bibliotecas pesquisar sobre a história, costumes e cotidiano. No Egito, por exemplo, começou no Museu do Cairo e sabendo de onde as peças foram tiradas, e foi aos locais.
Conforme o ministrante, a oficina não prepara somente escritores, mas leitores também: "pra gente absorver o texto na íntegra não é muito fácil. Se a pessoa sabe como o autor escreve, sua estratégia para transmitir informações e produzir fica melhor", afirma. Até o momento são mais de 80 países visitados e mais de dez passaportes preenchidos, sendo que seu visto norte-americano, cuja validade é de 10 anos, é completado bem antes deste prazo. São muitas viagens por ano, mas uma que pode durar até três meses, especificamente para escrever um livro. Para isso, tem o contrato com uma editora, em que firma compromisso de entregar sua obra até maio, sempre com lançamento na Feira do Livro de Porto Alegre, evento do qual foi patrono, em 2014.
Airton escalou as cordilheiras do Himalaia, no Nepal; percorreu os caminhos do Tibete, a bordo de um jipe; atravessou o Alasca, do sul ao Oceano Ártico; foi para a Índia; percorreu os rios amazônicos; no Egito viajou pelo deserto do Saara, em cima de um camelo e desceu o Rio Nilo, em uma jangada; focou a cultura maia, na América Central e abordou o Vietnã pós-guerra, entre muitos outros assuntos.


Airton Ortiz


Nasceu na vila ferroviária de Bexiga, interior de Rio Pardo, em 27 de novembro de 1954. Mora em Porto Alegre, onde formou-se em Jornalismo pela PUCRS e fez pós-graduação na UFRGS. Além de escritor é jornalista especializado em reportagens internacionais sobre a natureza selvagem; criador do gênero Jornalismo de Aventura, onde é, ao mesmo tempo, repórter e protagonista da reportagem. Estreou como escritor profissional em 1999, ao publicar, pela Editora Record, do Rio de Janeiro, "Aventura no Topo da África".

Devido ao conteúdo jornalístico aliado à forma literária de seus relatos, seus livros estão sendo usados como leitura complementar em diversos cursos de pós-graduação em Jornalismo Literário. Já gravou muitos documentários especiais sobre aventuras, para a televisão. Como fotógrafo, tem um acervo superior a 50 mil fotos, dos mais diversos países do mundo, especialmente sobre natureza selvagem. Suas viagens radicais ao redor do planeta aliadas à sua experiência como administrador de empresas o tornaram um dos mais requisitados conferencistas nas áreas de Planejamento e Motivação, prestando consultoria para importantes empresas no Brasil, além de fazer palestras em escolas e feiras do livro por todo o país.
Ganhou inúmeros prêmios e indicações: " Na Estrada do Everest" e "Pelos Caminhos do Tibete" foram finalistas do Prêmio Açorianos de Literatura. "Expresso para a Índia" ganhou o prêmio Euclides da Cunha, da União Brasileira de Escritores, como o melhor livro de ensaio, em 2003. "Travessia da Amazônia" (2004) foi o vencedor do Prêmio Livro do Ano da Associação Gaúcha de Escritores, como melhor livro de não-ficção e "Egito dos Faraós" foi finalista do mesmo prêmio; entre muitos outros.
Fonte: Câmara Riograndense do Livro





Serviço

Crônicas de Viagem:
Período: 19 de abril a 10 de maio
Dias: Quartas-feiras.
Hora: das 14h às 17h.
Local: Instituto Estadual do Livro/IEL (André Puente, 318)
Valor: R$ 180,00.
Inscrições: Até 17 de abril neste link
Informações: E-mail iel@sedac.rs.gov.br e fone (51) 3314-6451

Inscrever-se


Confira aqui vídeo com Airton Ortiz falando sobre a oficina: 

video


3.2.17

Desafio Literário - Textos dos vencedores

Publicamos a seguir a íntegra dos textos produzidos pelos três vencedores do Desafio Literário, competição de escrita criativa organizada pelo IEL durante a última Feira do Livro de Porto Alegre. Durante a competição, que ocorreu em cinco fases eliminatórias realizadas em cinco dias consecutivos, os participantes escreveram sobre temas sorteados em cada data nos seguintes gêneros: miniconto, poetrix, poema livre, crônica e conto. Ao final, foram selecionados vencedores os três participantes que terminaram última fase com a maior pontuação total, classificados nesta ordem: 1) Renata Fonseca Wolff; 2) Flávia Silva de Oliveira; 3) Thiago Pedroso. 


A produção completa dos três primeiros colocados pode ser conferida abaixo: